Este blog é uma fanfic coletiva inspirada no universo de Harry Potter, pertencente a J.K. Rowling, mostrando as aventuras paralelas de personagens originais, durante a sua permanência em Hogwarts.
Os eventos do Magic se passam durante a década de 70, mais precisamente no ano de 1975, quando os Marotos frequentavam o quarto ano em Hogwarts.

Correio-Coruja






Nome: Callista Graham
Apelido: Cal
Idade: 14 anos
Ano Escolar: 4º ano
Posição no Quadribol: Artilheira
Objeto Especial: Minha varinha, símbolo de que sou bruxa!
Desilusão: Ter claustrofobia e não conseguir ficar em lugares muitos fechados. Só seus amigos sabem sobre o fato que ela ficou soterrada quando criança e que toma uma poção da Madame Pomfrey todos os meses para poder conseguir assistir as aulas...
Aparência: Cabelos castanhos ondulados e olhos lilases. Seria considerada comum e normal se os olhos não chamassem tanta atenção.
Personalidade: Personalidade e opinião fortes, difícil de convencer (praticamente uma cabeça dura). Tem que provar que está errada, mas se o fizer será sempre muito respeitado por ela. Pouco estudiosa, mas sabe muito bem as matérias que gosta. Adora os amigos e em Hogwarts sente sua 2ª casa.
Animal de Estimação: Uma coruja negra chamada Hipólita.






Nome: Liv Joanne Spellman
Apelido: Não tenho
Idade: 14 anos
Ano Escolar: 4º ano
Posição no Quadribol: Artilheira
Objeto Especial: Um anel dado pela minha mãe - herança de minha avó. Vem passando pelas mulheres da família há séculos!
Desilusão: Não ter irmãos e não ter conhecido os avós.
Aparência: Baixinha, magra, cabelos negros, compridos, ligeiramente ondulados, olhos azuis. Muito bonita, chama atenção por onde passa. Talvez pela herança élfica de seus antepassados...
Personalidade: Estudiosa, cdf, porém arteira, moleca, brincalhona. Gosta de jogar quadribol e pregar peças nos amigos. É sincera e honesta, divertida, e defende seus ideais e seus amigos com unhas e dentes. Não mede esforços para alcançar seus objetivos. É determinada e corajosa, doce, meiga e companheira. Um tanto irritada e explosiva. É uma menina muito popular na escola.
Animal de Estimação: Uma gatinha branca persa, a Lúthien.






Nome: Andrey Storm
Apelido: Andy
Idade: 15 anos
Ano: 5º ano
Quadribol: Apanhador e capitão do time.
Objeto especial: Uma capa da invisibilidade.
Desilusão: Ter uma irmã na sonserina.
Aparência: Alto, cabelos castanhos claro, olhos cinzentos. Muito bonito. Pele branca.
Personalidade: Ele é um menino de boa índole, mas personalidade forte. Bom amigo, fiél, companheiro. Simpático, inteligente, sempre de bom humor. Dedicado aos estudos e a tudo o que se propõe fazer. Humilde e modesto.
Animal de estimação: Uma coruja-das-torres chamada Penélope.






Nome: Stephen Ludwig Parott
Apelido: Lud
Idade: 15 anos
Ano Escolar: 5º ano
Posição no Quadribol: Batedor
Objeto Especial: Um pequeno caderno preto, não é de valor, mas foi presente de sua mãe.
Desilusão: Não ser respeitado como deveria sendo herdeiro de uma das mais tradicionais familias sangue-puros.
Aparência: Alto, branquelo, com cabelos loiros e lisos na altura do olhos azuis.
Personalidade: Quieto, reservado e - de vez enquando - falso. Restrito a pequenos grupos de amigos e sempre está anotando coisas no pequeno caderno preto.
Animal de Estimação: Uma coruja branca das neves fêmea chamada Mandy.






Nome: Maximillian Fierman Lonen
Apelido: Max
Idade: 14 anos
Ano Escolar: 4º ano
Posição no Quadribol: Batedor
Objeto Especial: Minha varinha, sem ela, o que seria de mim?
Desilusão: Ah, não tantas... Mas confesso que meu orgulho ficou ferido quando não fui a casa dos inteligentes, porque sei que sou bastante... Mas a quem diga que meu orgulho é ainda maior.
Aparência: 1,76 de altura, 77 kg, olhos azuis, cabelos pretos e lisos e até um pouco acima do ombro.
Personalidade: Orgulhoso ao extremos, se ceder a algo ou alguém, é porque considera muito a pessoa, ou então está de MUITO bom-humor. Em geral é bem humorado e não possui o preconceito habitual por grifinórios, apenas por aqueles que não gosta (A maioria, huahuahua!)
Animal de Estimação: A minha coruja Freya, mas quando vou ao jardim, uma raposa se junta a mim. Já até dei nome a ela: Íris.






Nome: Juliet Dorthly
Apelido: Juli
Idade: 14 anos
Ano Escolar: 4º ano
Posição no Quadribol: não joga, torce de passagem para um "certo goleiro".
Objeto Especial: A pena, presente da mãe.
Desilusão: Saber que com aquele-que-não-deve-ser-nomeado livre, nunca terá certeza se o pai voltará para casa.
Aparência: Altura normal para uma garota, loira, olhos azuis, a pele tão clara que ruboriza quando ri.
Personalidade: É alegre e estudiosa, apesar disso parecer contradição. Está sempre com um livro por perto, mas larga-o de bom grado para ajudar um amigo.
Animal de Estimação: um gato chamado "Miau".






Nome: Kysen Amoy Horpais
Apelido: Sheik, faraó... os amigos brincam com a origem dele.
Idade: 15 anos
Ano Escolar: 5º ano
Posição no Quadribol: Goleiro. (Modéstia a parte, bom)
Objeto Especial: Uma urna funerária, de um dos membros mais antigos da família.
Desilusão: ser menosprezado por suas origens.
Aparência: É um rapaz bonito de pele morena, alto, cabelos negros e cacheados maior que a maioria dos rapazes e olhos escuros. Um físico que denuncia a descendência árabe.
Personalidade: Inteligente sem grande esforço é reservado como o pai em seus assuntos pessoais, mas brincalhão com os amigos e conhecidos. Paquerador, mas leal: não excede o número de 4 "protegidas" ao mesmo tempo. Não ver problemas de ter mais de uma namorada lhe rende algumas confusões.
Animal de Estimação: Um falcão chamado Nuha, presente de sua avô materna (significa prudente, de fala inteligente em homenagem a ela).






Nome:: Elizabeth Chevallier Lindenberg
Apelido: Lizzie
Idade: 15
Ano Escolar: Quinto
Posição no Quadribol: Artilheira
Objeto especial: Um anel que contém uma serpente com olhos de esmeralda, que fica guardado em sua gaveta, presente de seu avô, um ex-sonserino.
Desilusão: Ver que sua irmã é tão infantil e patricinha.
Aparência: Alta, olhos cinzas, cabelos loiros lisos levemente ondulados.Tem um corpo esbelto, é realmente linda e tem a aparência delicada, embora não a seja.
Personalidade: Elizabeth é uma garota extremamente teimosa e decidida. Sempre consegue o que quer. Diferente da irmã, Catherine, nunca se interessou por futilidades. Tem tendência e perder a paciência com lufa-lufanos e gosta de "praticar" maldições e azarações em primeiranistas desavisados. Quando está em casa sempre consegue irritar seu pai, que a deixa de castigo. Orgulhosa, gosta sempre de dar a última palavra. Adora quadribol. Tem habilidade em duelos e é excelente em preparo de poções. Ainda contra a criação que lhe fora imposta, a menina não se preocupa com questões de sangue. Claro que todo o convívio com a família lhe impôs um certo nojo por pessoas de sangue-ruim. Apesar de não ser um modelo de aluna sempre passou com méritos em todas as matérias. É sempre cabeça-dura, mas também é bem-humorada e divertida. E tem o seguinte lema: não me incomode que eu não te mando pra ala hospitalar.
Animal de estimação: Uma coruja acinzentada chamada Hades, que é extremamente inteligente e temperamental.






Nome: Anita Fieramosca
Apelido: Nita - bom, pelo menos é o único publicável...
Idade: 14 anos
Ano Escolar: 4º ano
Posição no Quadribol: Eu poderia ser uma grande batedora, se eu quisesse...
Objeto especial: Meu canivete mágico.
Desilusão: Não ter conseguido entrar como batedora no time....
Aparência: Estatura média, olhos verde-esmeraldas faiscantes, cabelos louros displicentemente jogados nas costas.Sou meio estabanada, mas sempre tento ser a mais elegante da sala. Tenho uma cicatriz no joelho esquerdo, de um tombo que tomei.
Personalidade: Não tenho papas na língua e falo exatamente o que estou pensando - exceto se é mais proveitoso que eu fique calada. Sou espevitada, e não fujo de brigas. Apesar de um tanto maliciosa, eu sei exatamente o que falar e para quem falar na hora de falar. Estudar não faz parte da minha vida - e nem por isso eu sou a última em todas as matérias Eu não sou exatamente comportada, e isso quer dizer que se eu não gosto de você, há uma enorme chance de você ser a próxima vítima de minhas *inocentes* brincadeirinhas. Sou devotada ao meu irmão mais velho, Ramón Fieramosca, e sei que ele é inocente, não importa o que uma banca babaca de aurores diga que ele tenha feito, pois eu sei que ele não seria capaz de assassinar ninguém! E não tolero que alguém diga qualquer coisa mal intencionada sobre ele!
Animal de estimação: Hat, o gato. - que pra nada serve.






















Harry Potter, nomes, personagens, lugares e demais fatos relacionados são propriedade de J.K. Rowling, Warner Bros, Bloomsbury, Scholastic, etc. Este site não possui fins lucrativos.




Layout by Liv Spellman - Exclusivo para o Magic Past. Proibida cópia e/ou reprodução.

Art utilizada no lay out by Tina Ling

This page is powered by Blogger. Isn't yours?




segunda-feira, março 27, 2006




O dormitório feminino do 5° ano, estava deserto, exceto por uma pálida garota que estava deitada em sua cama. Os olhos fechados e uma das mão na cabeça eram sinais que ela não estava se sentindo bem. Os cabelos castanhos estavam espalhados pelo travesseiro fazendo um estranho contraste na fronha branca. Estava morrendo de dor de cabeça mas se recusava a ir procurar Madame Pomfrey. Ela queria distancia do salao principal naquela noite, e teria que passar em frente dele para seguir à ala hospitalar. Era a noite do concurso de dança, onde a maioria dos alunos competiriam e se divertiriam bastante, numa noite bem descontraida. E era justamente isso que a incomodava, de não poder compartilhar todo a energia que estava sendo compartilhada no salão. De não estar magnifica,com um belo penteado e trajando um sofisticado vestido. De não ser o centro das atenções por 5 minutinhos. Mentira a quem lhe perguntara, dizendo que não iria por que não gostava de danças, mas a verdade é que nem um garoto a chamou, mas isso apenas ela precisava saber. E seu orgulho era tanto que se recusava ir ao salão sozinha, apenas como mera espectadora. Se tivesse que ir, iria com ar de ganhadora, não como uma fracassada que nenhum garoto a olhou. Isso a irritava fazendo a dor de cabeça aumentar a cada vez que pensava que toda a escola se divertia, enquanto ela estava ali, deitada na cama com dor de cabeça, e vestida com uma simples camisolinha. Ela olhou a cama ao lado e viu um pequeno frasco de perfume jogado em cima da cama. Era de Elizabeth, sua companheira de quarto. Asheley se recordou na hora em que a loira saira do quarto. Estava linda, e se o concurso fosse de beleza, ela era uma forte candidata. A morena sentiu outra pontada na cabeça e se sentou no auge de sua irritação na cama da colega sem nem saber porque. Foi na hora em que reparou no seu malão. Estava uma verdadeira bagunça, e pra tentar desanuviar a cabeça se prontificou a arrumalo. Mal abriu-o e uma sedosa capa caiu ao seus pés. Ela abaixou-se e admirou a capa com uma expressão de triunfo no rosto. Iria até o salão principal sim, veria os ultimos casais dançarem e quem sabe até ver a premiação, e depois resolveria sua dor de cabeça. E o melhor de tudo, faria isso sem ser vista!


Asheley Doyle às 12:29 h




sexta-feira, março 24, 2006


A festa - para o Kysen ou Eu chamei ?! (Parte final)

Kysen olha para a mesinha de quatro cadeiras onde se instalaram para ver o concurso de dança. Nariman à sua esquerda, Lílian à direita. Enquanto os concorrentes dançam ele toma lentamente um dos ótimos driques da festa e lembra como o quarto membro da mesa acabou salvando a noite de um desastre total...

***

No quarto, Kysen olha preocupado para o espelho. Quem olhasse pensaria que era só por causa da gravata que a cada tentativa de laço ficava mais mal ajambrada mas na verdade o grifinório tinha outra preocupação em mente.

- Credo cara, parece que você nunca fez um laço! Zomba Sirius Black. ? Deixa eu ajudar você, por que desse jeito a Lili vai criar teia de aranha lá no salão!

Kysen estranhou que o batedor da grifinória estivesse sem o restante do quarteto, mas deixou que ele lançasse um feitiço do tipo ?Mama mia, lace facile!?, afinal tinha combinado mais cedo com a Lilian sair mais cedo que a maioria dos casais para conseguir pegar a Nari também.

- Cara, foi legal você não entregar a Lílian para o Potter, mas como você vai fazer para levar a Evans e a Mc Gollon.

Kysen arregalou os olhos, sufocado pela gravata que finalmente ficou com um nó decente e confortável.

- Relaxa, o Potter mereceu, mas acho que não gostou de ser substituído por você não. Sorte que tu joga bem senão...

- Você conversou com a Nari?

- Não, com o lufa-lufa que ia chamar ela, ele veio ver se tinha restado alguma comigo. Estava pensando uma coisa: Você está com problemas para levar as duas, e eu quero passear pela festa mas fica chato ir sem acompanhante... Que tal sentarmos todos juntos? Assim quem olhar vai pensar que eu estou acompanhando uma delas!

- Você é inacreditável Black! Comenta o egípcio, depois de uma gargalhada.

- Não esquece a reserva da mesa... disse o outro grifinório piscando um olho enquanto deixa um cartão em cima da cabeceira do quintanista. - Senão onde a Srta Nariman Mc Gollon vai se sentar?

***

- Realmente muito maroto! Fala Kysen em voz alta, pensando na malandragem sugerida por Sirius que permitira entrar com a Lílian e voltar para buscar a Nari, deixando a grifinória acompanhada do batedor que aproveitou para se desculpar pela brincadeira chata do jantar.

- É mesmo. E já foi ele de novo dar um rolê pela pista! Comenta Lílian, já ?de bem? com o colega.


Kysen Amoy Horpais às 13:30 h




terça-feira, março 21, 2006


A festa - para a Nari

Na realidade, Nari não estava nervosa nem nada. Fazia caras e bocas na presença das amigas de casa apenas para não ser diferente, mas estava perfeitamente tranqüila. Afinal, o baile seria uma oportunidade para se divertir, não? E, mesmo não sabendo dançar muito bem, ela tinha certeza que daria boas risadas ao lado de Kysen, seu amigo da Grifinória.
Olhou-se no espelho e alisou a parte da frente do vestido prateado. Não era longo, muito menos curto, ao mesmo tempo chique e confortável, Nari pensou.

- Meninas, tenho que ir - anunciou ela, de repente. - Kysen deve chegar agora, se já não está me esperando.

As corvinenses sorriram e voltaram aos elogios umas às outras em menos de um segundo. Nari meneou a cabeça, rindo, e desceu as escadas. As poucas pessoas que ainda não haviam deixado a sala comunal para ir ao local do baile estavam arrumadas e juntas em grupinhos pequenos. Nari passou por elas e saiu para o corredor, onde um jovem moreno estava encostado na parede, sorrindo para ela.

- Nari, está linda - elogiou Kysen, quando ela chegou perto.
- Você também, Sheik - respondeu ela, para o grifinório bem arrumado e charmoso que teria como par.
- Vamos, senhorita?

Ela assentiu e os dois foram em direção ao Salão Principal, que estava lindo e particularmente lotado. Abrindo caminho entre as pessoas, Kysen e Nari puderam ter uma visão da pista no meio de tudo, onde algumas pessoas dançavam ao som da música tocada pela banda, montava sobre um tablado grande ao lado. Era um pouco difícil conversar, por causa do barulho alto de vozes e melodias, mas os dois amigos conseguiam trocar algumas palavras enquanto riam e cumprimentavam as pessoas que passavam.
Depois de alguns minutos, eles resolveram dar uma passeada pela pista de dança. Ela ia enchendo de pessoas cada vez mais, até que Nari e Kysen foram obrigados a se soltar e dançar também, tão pressionados foram para isso.

- Não te disse que isso é muito melhor do que estudar para os N.O.M.s? - perguntou o garoto no ouvido da loura.
- Tem razão - respondeu ela o mais audivelmente que pôde. - Nunca pensei que um baile fosse mais divertido do que uma sessão na biblioteca! - gritou ela, brincando.

Eles continuaram rindo e dançando, até que a música foi interrompida por Alvo Dumbledore, que anunciou o começo do Concurso de Dança. Ele educadamente pediu que deixassem a pista e se preparassem para aplaudir os concorrentes.
A noite mal tinha começado e Nari já estava adorando ter aceitado comparecer ao baile.


* Por Nari e Kysen


Kysen Amoy Horpais às 12:47 h






Let's go party!



- Ai, que droga!

- O que foi agora?

- Eu tinha gostado tanto desse vestido na Madame Malkin e agora ele parece tão... sem graça!

Callista deu um suspiro e meneou a cabeça enquanto Liv Spellman continuava se virando de um lado a outro defronte o espelho. A garota de cabelos negros mirava o "inimigo" de todos os ângulos procurando por algum defeito que pudesse tirar seu brilho. Enquanto isso, Graham, que já estava simples e lindamente vestida no seu longo prateado que tornavam seus olhos pouco comuns a atração mais bela e colorida do que nunca, fuçava a bolsa de maquiagens da amiga. Optou apenas por um brilho nos lábios e um delineado discreto nos olhos.

- Cabelos presos ou soltos??? - Spellman agora segurava as madeixas negras no alto da cabeça como um coque solto, analisando como ficaria melhor.

- Gosto deles soltos. - respondeu a amiga - Toda essa preocupação é para agradar o Fierman??? Quem te vê até pensa que você vai se encontrar com o príncipe da Inglaterra!

- Estou me arrumando para mim! - retrucou a mocinha de olhos azuis - e o Max merece, gosto dele. Ele é legal e ainda por cima é um gatinho.

- Bom, gosto é igual a nariz, cada um com o seu... Eu continuo achando ele um porre.

Liv não respondeu esse último comentário da amiga. Procurava em sua nécessaire um conjunto de sombras. Callista se pronunciou.

- Ah, essa azul vai ficar linda com seu vestido!

- É, estou pensando nisso...

Graham olhou divertida para a amiga. Segurou o queixo de Liv, levantando ligeiramente o rosto da menina enquanto olhava para ele e fazia cara de especialista no assunto. Decidiu por fim.

- Não, melhor não... A sombra azul vai tentar apagar seus olhos. Tome esta aqui.

Liv pegou a sombra branca quase translúcida que Cal oferecia. Aplicou um pouco dela apenas para realçar os olhos. Rímel preto, batom claro, no mesmo tom da boca bem torneada da jovem. Decidiu pelos cabelos soltos. Borrifou seu perfume preferido. Maquiagem simples, vestido azul sem grandes atrativos, mas ainda assim ela estava lindíssima. E insegura.

- Pronto, que tal estou?

- Perfeitamente linda.

Spellman sorriu e colocou de volta no dedo o lindo e estranho anel, que ela sempre achou que tivesse algo mágico mas que nunca se mostrara mais que um adorno magnífico.

- Vamos?

- Já não era tempo... Vamos chegar no fim da festa! E tudo isso só por causa do Fierman, não consigo acreditar que você está caindo na conversa dele!

- Ah Cal, não fale assim. O Max sempre foi muito gentil comigo. E o Andy acha que ele gosta mesmo de mim, então...

A grifinória de olhos violeta bufou.

- E desde quando o Storm entende alguma coisa sobre os sentimentos alheios? - perguntou rancorosa.

- Cal, olha, você realmente precisa pensar um pouco antes de falar. O Andy...

- Vamos parar com esse assunto agora, ok? Não quero estragar minha festa antes dela começar.

Spellman deu os ombros. Mirou o espelho uma última vez.

Chegaram ao salão ricamente decorado e já apinhado de gente. Procuravam seus pares com olhos atentos. Potter havia saído antes para xeretar Evans e combinou de encontrar Graham no salão, próximo à porta principal. Acabaram encontrando Storm e Gardner, que chegavam de braços dados. Callista mordeu os lábios discretamente e deu um beliscão na amiga.

- Ai, mas o que é isso?

- É pra desabafar a raiva...

O casal cumprimentou as garotas. Andy não poupou elogios à amiga, enquanto Callista, praticamente ignorando a presença "indesejada" fingia procurar Potter - que as encontrou antes que seus olhos o achassem.

Tiago abraçou Graham efusivamente, levantando-a do chão e dando um rodopio com a garota suspensa no ar.

- Nossa, mas você está realmente maravilhosa!!!

Passou o braço na cintura de Callista e cumprimentou Liv, Andy e Nicolly. Storm ficou vermelho, cerrava os dentes de maneira muito sutil, mas que deixava claro para Spellman, praticamente sua irmã, o que o garoto estava sentindo. No entanto, ela havia decidido. Cada um que cuidasse de si, pelo menos durante a festa. Aquela noite era sua e não iria estragá-la pelejando mais uma vez fazer Andy e Callista se entenderem. Depois pensaria num jeito para isso. Vendo os amigos já acompanhados, decidiu.

- Com licença, vou dar uma volta. Preciso encontrar meu par.


Liv Spellman às 05:49 h




segunda-feira, março 20, 2006


MADAME MALIKN'S CANDYMAKER

Fico muito feliz e extremamente orgulhosa em anunciar a inauguração do Madame Malkin's Candy Maker.

Feito com muito carinho e amor em conjunto com os blogs Expresso Hogwarts e Accio Cerebro, o maker nos tomou um pequeno (cof cof, muito) tempo, mas valeu a pena. Valeu MUITO!!

Além das roupas de Hogwarts que tanto gostamos, também encontrarão bases exclusivas das escolas bruxas de Beauxbatons e Durmstrang. Junto disso tudo verão as bases do famoso Candybar, mas dessa vez vocês saberão onde clicar ;)

Para encontrarem esse mundo de dolls, cliquem no buttom abaixo!



Cal às 11:51 h




quarta-feira, março 15, 2006




Sentada em uma das mesinhas, Juliet sente algo lhe roçando o pé. Desviou, pensando que não era nada, mas sentiu o toque suave novamente.

Era só o que faltava. Além da desagradável Varanus se pavoneando pelo salão por ser monitora e estar acompanhada por um dos jogadores do time de quadribol da casa ainda tinha que aturar o Gilderoy Lokchart mexendo nela por baixo da mesa! A corvinal olhou para o sonserino, que buscava desde o início da festa avaliar o efeito do tratamento anti-acne do acordo para que ele fosse seu par na festa. No momento ele parecia totalmente entretido namorando a sua imagem no prata do arranjo da mesa, magicamente adaptado para as cores das casas de ambos assim que sentaram.

É muita cara de pau! Pensa ela, afastando a toalha de mesa o suficiente para ver o que estava acontecendo a seus pés. Mas ele vai ver o que eu vou fazer com ele e... Qual não foi sua surpresa quando encontrou o seu ratinho-cobaia, que havia fugido quando ela e Roy Lokchart se trombaram na noite anterior, a seus pés. Lear não estava mais com os pelos púrpuras daquela ocasião, mas PENAS VERDES! Putzgrilla, será que é alguma reação do tratamento de acne?


Juliet retorna a cabeça para cima da mesa. Tinha que sair dali, e rápido, tinha que pensar, rafazer cálculos! Quanto tempo poderia levar para Gilderoy ganhar uma barba de plumas verdes?

- Lokchart, vou pegar uma bebida você quer?
- Hum? Parecia que um elo havia se quebrado momentaneamente entre o rapaz e sua imagem. - Ah não Juli, daqui a pouco eu pego. E voltou se novamente para o arranjo, aparentemente encontrando um bom lado do arranjo. ? Você não teria um espelho para o Roy na sua bolsa?
- Inacreditável. Eu devo merecer! Pensou Juli, fugindo da mesa o mais rápido possível. O cara estava prestes a trocar as espinhas por penas e estava ali, cheio de vaidades!

Se refugiando no balcão de drinques, ela vai olhando as diversas possibilidades: Liquide Courage, Flammyng Hart, AWHS(All world in a half second)... Olhando para a sua mesa e depois para a monitora do sobrenome feio ela decide tomar o ponche mesmo. Encheu uma taça e já ia bebendo quando um rapaz que fazia as vezes de barman tomou-a de sua mão.

- Hein, devolve o meu drinque!
- Você não deveria tomar isso. A essa hora, isso aqui ? diz ele sacudindo o líquido instável ? já tem todos aquelas bebidas que você desprezou. Derrubou o líquido sobre uma planta da decoração de começou a murchar instantaneamente, bem sob os olhos de Juliet.
- Legal, então eu bebo o que?!
- Acho que eu tenho algo perfeito para você. Espera só um pouquinho.
O rapaz sumiu atrás do balcão, voltando com uma garrafa com três bordas superpostas. Depois de misturar com algumas outras garrafas ele parou por um momento em frente a uns tubos cheios de temperos, frutas e outras coisas para finalização da bebida, se decidindo por um pequeno morango que foi parar no fundo da taça.
- Creio que este é você. Fairy Tale disse o dono de uma simpática pinta no lado esquerdo do rosto na altura dos olhos, piscando para a corvinal e voltando a atenção para um grupinho de lufa-lufanos que parecia estar de volta ao bar pela vigésima oitava vez.

Juliet contemplou o líquido azul e o morango, que através do cristal parecia de cobre. Bebeu um gole lentamente da deliciosa bebida, que a envolveu como um gostoso abraço como de uma afeição antiga. Quer saber? Amanhã eu resolvo isso... Hoje é hora de diversão! Foi o pensamento imediato, enquanto ela voltava para a mesa.

- Chega. Disse a corvinal afastando o arranjo da frente do loiro de cabelos compridos. Depois eu até tento achar um espelho para você, mas agora vamos dançar! E arrastou o rapaz para a pista onde outros alunos dançavam descompromissadamente, sob os olhares incrédulos dos colegas de casa.


Juliet Dorthly às 10:08 h




domingo, março 12, 2006


And so it is....

And so it is.
Just like you said it would be
Life goes easy on me
Most of the time

"...Anita Fieramosca e Severo Snape.", fez-se magicamente ouvir uma voz.

"É a nossa deixa, Severo", Snape ouviu Anita murmurar em seu ouvido, ao mesmo tempo em que tentava ignorar um arrepio subindo-lhe pela espinha.
"É só nervoso", tentou se justificar em pensamentos enquanto rapidamente se encaminhava para o local indicado.

Ficaram um de frente para o outro, ambos com um sorriso trêmulo nos lábios. Como se fosse a primeira vez que fizessem aquilo, Snape pegou graciosamente a mão da loura, e com a outra livre, passou em volta da cintura dela, puxando-a levemente para si. Sentiu a menina colocar uma de suas pernas entre as dele, e um comichão ao roçar uma delas na da menina. Algo que insistentemente parecia dizer : "...quero mais...."

A operação, que na mente de Severo, durou um século, nada mais foi do que alguns instantes, e no momento seguinte, a música começou a tocar.

And so it is
Shorter story
No love, no glory
No hero in her skies

O concurso havia começado, e o casal Anita e Snape parecia extremamente disposto a sair vencedor dele. Estando sozinhos na pista, tentavam ignorar que grande parte das atenções estava voltadas a eles.

A loura estava dando o melhor de si, e tentava se concentrar apenas em dançar, ignorando qualquer sensação ou ruído ao seu redor, ou dentro de si. Olhava nos olhos negros de seu parceiro, sem ver realmente nada, ou ao menos, fingia não ver nada.

Snape tentava decifrar as coisas que diziam os olhos verdes daquela moça à sua frente, que ele conhecia tão pouco, mas que dentro de si, sabia que queria conhecer cada vez mais fundo.

Algo dizia que ele não teria sucesso, e que todas aquelas viagens que ele sonhara na noite passada, nunca iriam se concretizar. Afinal, quantos românticos existiriam hoje? Quantas belas interessadas em tão muitas feras como ele?

Ela percebeu uma mudança rápida e brusca no olhar dele, que desapareceu, como uma faísca. A menina baixou 0s olhos.




Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you

Alguns de fora, comentavam que o casal seria um possível ganhador, se colocasse mais vigor na dança.Os dois, entretanto, mantiveram-se no ritmo lento que a música pedia, a passos leves, caminhando sobre um chão de vidro.

Enquanto alguns já começavam a se dispersar, e outros observavam o tombo que uma garota levou ao pegar um ponche, um rapaz anônimo, de olhos castanho escuro, e cabelos negros curtos, tentava identificar que seriam os dois que dançavam tão calmamente, e que mal conseguiam desviar o olhar compenetrado um do outro.

" Uma pena, devem ser namorados. ", pensou ele, admirando a forma da loura com olhos gulosos.

And so it is
Just like you said it should be
We´ll both forget the breeze
Most of the time

A música foi cessando, abaixando o tom do volume, e nenhum dos dois percebera que essa era a deixa de fazerem uma saída triunfal, soltarem-se, e ir cada um para seu lado.

And so it is
The colder water
The Blower´s Daughter
The pupil in denial

Ouviram uma salva de aplausos, e Anita rapidamente saiu da posição de dança, e, por mais que devesse estar, nada decepcionada consigo mesma. Sentia que não ganharia o concurso, mas e daí?
Dançara, fizera seu máximo...esperava só, que Black não ficasse muito na frente dela.

Soltou um suspiro, e viu que Snape estava ao seu lado, se esforçando para não parecer muito radiante.

_ Vem, vamos sentar. - disse ele, com um sorriso a puxando pela mão.

_ Eu já vou...guarde um lugar pra mim, vou só me recompor. - respondeu ela, automaticamente, com uma falsa excitação na voz.

Tomou o rumo para os jardins, sem que percebesse, e seguiu a passos apressados, seguida por um par de olhos castanhos.

Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes off of you
Can´t take my eyes....

Sentou-se num dos bancos do jardim, encarando o céu estrelado daquela noite. " Onde eu estou com a cabeça?", perguntou-se com um bocejo. " Severo Snape...?", dizia para si mesma, como se custasse a acreditar em qualquer coisa absurda que sua mente lhe dizia para fazer.

_ Oi, posso sentar aqui ? - a menina ouviu uma voz atrás de si perguntar. Virou-se e deu de cara com um rapaz muito bonito, que não esperou por sua resposta para tomar o lugar.

Ela meneou a cabeça e voltou-se para olhar fixamente o lago.

_ Eu te vi no concurso de dança, sabe. Parabéns. - disse ele, simpático dando um sorriso branco. - Aquele era seu namorado?

A palavra "namorado" pareceu desperta-la de seus pensamentos.

_ Quem, o Severo?Não, na verdade estamos aqui só como amigos....aliás, ele está lá me esp...

_ E então, Fieramosca, como sé sente depois de ter sido chamada de 'loura desprezível' por seu próprio namorado?

A pergunta soou alto na cabeça da menina, que se atordoou e só então se deu conta que na sua frente, estava Sirius Black.

_ Quem?

_ Não só de desprezível, mas o Ranhoso ainda te chamou de 'nojenta' e de... - continuou Black, se divertindo com a cara de raiva que Anita fazia para ele.

_ EM PRIMEIRO LUGAR, SNAPE NÃO É MEU NAMORADO. EM SEGUNDO LUGAR, POR QUE EU DEVERIA ACREDITAR EM VOCÊ? - panicou ela, num tom perigosamente alto.

_ Talvez isso te ajude.

O rapaz fez um meneio com a varinha e ouviu-se seca a voz de Snape dizendo:

" ...aquela vagabunda, loura nojenta, desprezível, filha da...."


"Did I say that I loathe you?
Did I say that I want to leave it all behind?"

_ Chega, Black. - sentenciou o rapaz ao lado de Anita, acenando a varinha e desfazendo a voz.

_ Não se intrometa, Ardowald, seu estúpido! - gritou o outro, com raiva na voz.

_ Petrificus Totalus.

O rapaz de cabelos negros pronunciou o encantamento e Black caiu duro no chão.

_ Fique aí, mocinho, e repense no que você fez. - disse ele, imitando a voz da professora McGonnagal, e riu da própria piada.

Anita olhava novamente para seus pés, em estado de choque. Então era isso que Snape pensava dela, era?

_ Anita! - ouviu uma voz ao longe dizer, e sem precisar se voltar, a reconheceu.

_ Vá embora, Snape. Não preciso de gente falsa na minha vida.

Ele tentou explicar o que havia acontecido. Tentou dizer que não era dela que estava falando, e sim, de um desafeto mais antigo. Por que Black distorcera suas palavras?

_Anita, ESPERA! - ele disse, pondo a mão no ombro dela e puxando-a.

_ Escuta, cara, ela já não te disse pra cair fora? Se não, EU estou dizendo. - falou o rapaz de sobrenome Ardowald, e quando Snape fez menção de ignora-lo, o empurrou para longe. - Cai fora, seboso.

Ele ficou ali, no chão, meio atordoado pelo empurrão.E dali, assistiu com uma ponta de dor e ódio, a partida de Anita, com um rapagão bonito ao lado, se entrosando tão bem.

Can´t take my mind off of you
Can´t take my mind off of you
Can´t take my mind off of you
Can´t take my mind off of you
Can´t take my mind...

"Não...olhar....para trás.", pensou Anita com força, sorrindo educadamente para o garoto que a acompanhava. Ainda assim, ela não podia deixar de pensar no Snape. Mesmo que esse pensar, fosse apenas uma mensagem para esquecer todas as coisas que ela imaginara naquele curto espaço de tempo...

´Til I find someone new.

... e achar alguém novo.


Anita Fieramosca às 09:18 h




quinta-feira, março 09, 2006


Humores, Pessoas & Concursos

O vestido era simples, como Anita gostava. Nada de bolos confeitados, como estavam se vestindo as outras meninas que dividiam o dormitório com ela. Era verde claro, com uma fita logo abaixo do busto, que caia graciosamento em forma de laço nas costas. Os sapatos eram transparentes, e a menina apenas passou um batom leve nos lábios.

_ Está linda. - falou com sinceridade Bellatriz, que também estava se arrumando para o baile. Iria com um rapaz do último ano, sonserino, e estava realmente elegante, de um jeito que Anita sentia inveja de não ser. - O verde cai muito bem em você, moça.

Ela sorriu e agradeceu, e colocou o que faltava na obra. Uma pequena correntinha prateada, que seu irmão deu pra ela. "É, isso aí.", pensou firmemente se olhando no espelho.

"Agora é arrebentar com aquele concurso!"

Severo estava encostado numa das pilastras do Salão Comunal, com a cabeça inclinada para baixo, e pensativo. Sua roupa não era das mais enfeitadas. Era apenas um traje a rigor discreto que ele usava quando tinha alguma ocasião especial. Estava quase novo, e ele se pegou pensando na sua acompanhante. O tratamento entre os dois tinha mudado bastante desde que passaram a ensaiar juntos, algumas vezes por semana. Ele até havia conseguido rir de algumas coisas que ela dizia, e principalmente de sua bronca com Minerva McGonnagal. Ele aprendera a gostar daquele jeito sacana dela de ser.

_ Caham. CAHAM. Severo, dá pra você pelo menos NOTAR que eu cheguei? - falou Anita com os olhos perigosamente bravos.

_ Desculpe, Anita. - respondeu ele com um meio sorriso no canto da boca, olhando para a garota, que sorriu.

_ Agora, sabe, é aquela hora em que você diz que eu fiquei realmente linda nesse vestido, e que ele caiu muito bem em mim. - disse ela, com uma cara de impaciente obviamente se sentindo um pouco desconfortável no mesmo.

_ Eu diria, mas você sabe, não costumo mentir. - respondeu ele, alfinetando-a.

Anita ia responder qualquer coisa e ficar divertidamente brava com o rapaz, mas não teve tempo, ao ouvi-lo completar.

_ Então eu realmente tenho que dizer que você está...indescritivelmente linda.

A loura ruborizou um pouco nas faces.

_ Nah, mas até aí, eu sempre estou maravilhosamente e perfeitamente linda... - falou fazendo uma falsa modéstia.

Snape deu de ombros e olhou para a sua acompanhante, admirando-a disfarçadamente . Ela parecia ocupada, analisando a roupa de Max Fierman, que acabara de chegar no salão. Havia um tom de desgosto em seu rosto, e Severo apenas despertou de seu estado petrificado, quando ela deu dois passos a frente e pôs-se a ajeitar a gravata de Max.

_ Anita, acho que já chega. - colocou ele, pondo a mão no ombro dela, e a puxando levemente para trás.

_ Tá bom, ta bom. Vamos. E não ouse mexer no nó da gravata, entendeu, moço? - disse a menina, em tom autoritário, ao que o outro apenas deu um sorrisinho e concordou.

_ Bom baile pra você, Nita. - disse ele dando um beijo no rosto da garota. Ela saiu saltitante a frente e o rapaz teve tempo de dizer o moço de cabelos oleosos a sua frente - Maltrate a Anita e eu te mato, Snape.

O outro apenas meneou a cabeça.

_ Um bom baile pra você. - disse Fierman e virou as costas, indo em direção ao espelho do Salão comunal.

Snape sentiu ganas de acabar com o topete do sonserino, mas controlou-se bem a tempo de ouvir o chamado animado de Anita:

_ Vamos, temos um concurso pra detonar!

O rapaz sacudiu a cabeça, enquanto estendia o braço para que ela o pegasse e ambos desceram para o Salão Principal, já apinhado de casais.

A loura parecia radiante, e os olhos verde-esmeralda brilhavam com a agitação. No salão, havia alguns casais dançando e ela procurou com o olhar algum conhecido. Não o achou, mas viu potenciais ganhadores para o concurso que aconteceria dentro de instantes.

_ Você por acaso não está me ouvindo, Anita? - perguntou Snape numa voz paciente, já tendo percebido que esses desvios de atenção eram extremamente comuns em sua parceira.

_Honestamente...não. Conte-me tudo. - satirizou a garota, sentando-se (leia-se, jogando-se), numa das cadeiras por perto.

_ Quer beber alguma coisa, senhorita Anita? - ofereceu galantemente o rapaz, com uma polidez indiferente na voz.

_ Muito obrigada. - respondeu ela com a mesma polidez estranha em sua voz.

Ela se sentia embargada, não sabia porque. Talvez porque tivesse se dado conta de que estava ali com um completo estranho. Por mais que ambos se esforçassem, até o momento ela se sentia assim.

_ Vou aproveitar e checar que horas começa o concurso. - falou Snape, como que procurando uma desculpa para afastar-se da menina, sem parecer grosso.

Anita fez um sim com a cabeça, e alternou o olhar entre seus pés e o salão, sem ver absolutamente nada. Não sabia porque se sentia tão mal agora. Levantou a cabeça, e seus olhos viram o mesmo rapaz que ela ajeitara a gravata, minutos antes, dançando apaixonado com sua parceira, Liv Spellman. Em vez de se sentir mais alegre, seu ânimo descendeu.

Snape lançou um olhar longínquo para a loura sentada com ar de pensativa. Sabia que ela não fazia por mal, mas tinha certeza que não queria estar com ele ali. Podia ver o desejo no olhar verde dela, e via que esse desejo não era dirigido a ele.
Estavam ali como amigos, e, considerando o fato de que até o momento, ele não tinha muitos, se sentia na obrigação de tornar a noite dela especial.

_ Que está vendo, Anita? - perguntou o rapaz, sentando-se ao seu lado, com os dois copos de bebida na mão.

_ Anh..não é nada. - respondeu ela, sacudindo a cabeça e dando um sorriso na direção dele.

O rapaz levantou o olhar e lhe ocorreu que talvez a loura estivesse com ciúmes de Max Fierman. " Isso explicaria porque eles são tão grudados...", pensou ele, com uma nesga de raiva. " Mas eu não tenho nada a ver com isso...tenho?", falou para si mesmo, convencendo-se.

_ É o Fierman, não é? - soltou Snape sem pensar - Você queria ter vindo com ele.

A garota olhou para o rapaz, surpresa.

_ Não - respondeu indignada - Eu estava torcendo pra que ele e a Spellman se entendessem logo.

_ Você não precisa mentir para mim, Anita...você queria estar com outra pessoa.. -continuou ele, aparentemente sem ter consciência do que estava despejando.

_ Olha, Severo, não é verda...

A garota se interrompeu quando uma voz magicamente ampliada anunciou para o salão.

_ E agora, o nosso último casal vai dançar...Anita Fieramosca e Severo Snape.

_ É a nossa deixa, Severo. ? levantou-se ela, cochichando-lhe no ouvido e completando em pensamento " Seja o que Deus quiser".


Anita Fieramosca às 14:50 h




segunda-feira, março 06, 2006


Concurso de dança - parte III

Era a hora. Elizabeth falou sussurrante no ouvido do músico o que queria que ele tocasse. Andaram até o meio da pista confiantes. Treinaram bastante e tinham tudo para ganhar. O som preencheu o ambiente. A música? Tango. Os dois estavam parados um de frente para o outro no meio do salão. Respirando fundo Elizabeth olhou profundamente nos olhos de Stephen. Ele fez um mínimo gesto com a cabeça.
Ela encaixou sua mão na dele e levantou-a até a altura de suas cabeças. Soltaram-se e, sem encostar, percorreram a lateral dos rostos com as palmas da mãos. Ele a enlaçou pelas coxas enquanto ela posicionava perto do pescoço empurrando gentilmente sua face na outra direção. Desceu sua mão passando do meio das costas até a cintura, onde com a outra mão segurou firmemente e a subiu novamente até os ombros dele. Juntos e embalados pelo ritmo da música os dois deram um longo passo para trás, flexionando, juntos, as pernas e parando na posição por breves segundos. Mais um passo, mesma flexão.Outro, pararam. Deram mais um à frente e num gesto brusco separaram-se indo cada um para um lado do salão.
Andaram até o meio da pista, parando novamente frente um ao outro. Ela pegou seus braços deixando-os na posição de um abraço, mas sem se aninhar entre eles. Fez o mesmo com seus próprios braços. Um passo para trás, dois, três, giraram lentamente. Num rápido movimento de braço ele a girou. Tão breve se separaram juntaram-se novamente. Ela com a perna esquerda flexionada na coxa direita dele. Inclinaram-se como se caíssem lentamente, logo subindo novamente. Rostos colados giravam ambos os corpos múltiplas vezes até que separaram-se novamente indo cada um para um lado.
Voltaram com passos felinos. Um par de mãos se juntou. Uma mão dela permanecia no ombro dele enquanto a outra estava encaixada na dele, sendo que a outra mão do rapaz estava na cintura dela. Aproximaram-se. Deram um longo passo lateral com a perna direita, puxando em seguida a esquerda lentamente. Ele vai para a direita e ela joga o rosto para a esquerda como se quisesse separar-se dele, novamente colam os corpos na posição vertical. Ela inclina-se para a direita e o puxa como que numa brincadeira de rodar, passando por toda a extensão do salão enquanto giram. Param no centro. Ela vira de costas para ele e desce como que agachada embora uma das pernas estivesse esticada. Ele a pega pelos ombros e a puxa lenta e sensualmente até ela ficar da sua altura novamente. Sua mão encontra a dela em sua barriga enquanto a sua outra mão estava no braço da sonserina que estava apoiado na perna dele. Giraram sem sair do lugar conforme o ritmo da música. A cada baque da música, um pequeno giro, no terceiro giro ela jogou a cabeça para trás. Ele puxou-a junto a ele em um novo baque, ela jogou a cabeça para trás no baque seguinte, sempre dando pequenos passos entre os pontos fortes da música. Um novo "tum" foi ouvido. Ele a aproxima, suas pernas entrelaçadas. Andam para trás dando a volta no salão com ocasionais passadas e jogadas de cabeça de acordo com o ritmo da música. Mais rapidamente o passo é repetido. Ele a girou num gesto rápido. Sem se soltar de Ludwig, ela movimentou o quadril como se andasse rebolando, sem sair do lugar. Os dois deram alguns giros parados e aproximaram-se novamente, olhares sempre caninos, respiração arfante. Ela virou de costas para ele, as mãos dela na perna dele e as dele na barriga dela. Desceram como se fossem agachar juntos, a perna esquerda de ambos esticada, entretanto, não chegaram ao chão e logo juntaram a perna direita junto da esquerda. Novamente na mesma altura, embora ainda ela permanecesse de costas pra ele, dão passos para frente. As mãos dela agora estava pendidas sobre a cabeça dele e as dela ainda estavam no ventre dela. Num rápido movimento ela a jogou para frente girando-a e fazendo com que ficassem cara-a-cara. Novamente o impulso, dessa vez a empurrando para trás, suas mãos nos braços um do outro, a fez girar e cair em seus braços premeditadamente estendidos, a cabeça dela pendia, jogada para trás. Ela a puxou. Rostos colados, pernas lado a lado, novamente girando pela extensão do salão. Rapidamente descolaram os corpos com ferocidade e ele a girou pegando e puxando sua mão e tendo-a no colo e girando sem sair do lugar com ela em seus braços. A música acalmou e ele a pôs no chão. Finalizaram de rostos colados, um par de mãos dadas e as outras caídas molemente ao lado dos corpos. Uma das pernas dela flexionada na coxa direita dele e a outra entrelaçada com sua perna esquerda. Respiração arfante, suados, e ainda assim sensuais.
O Salão rompeu em aplausos e assobios. Elizabeth pode ver com o canto dos olhos que alguns alunos olhavam para eles meio abismados, meio espantados. Stephen a pegou pela mão e eles saíram do centro do salão e indo sentar-se a cadeira dos participantes. Deram-se um longo abraço, sorrisos estampados no rosto.

-Nós conseguimos Li! - falou Stephen muito satisfeito.
-E foi realmente ótimo Stu! - Lizzie falou com um grande sorriso.
Uma nova dupla já estava dançando. E depois os jurados iriam se reunir para ver os resultados. Agora, só restava a eles esperar.


*Escrito por Lizzie e Stephen

Nota /autores ¹-A música é Santa Maria tocada por Gotan Project.
Nota /autores ²-A dança feita pelos dois personagens foi inspirada pelo filme "Shall we dance?".


** às 14:45 h




sábado, março 04, 2006


Concurso de Dança - Parte II

Era o dia mais esperado de todos em Hogwarts, tanto por aqueles que iriam concorrer e aqueles que queriam apenas dançar e ter um motivo a mais para adiantar os estudos. Stephen Ludwig mal dormira a noite passada, havia pensado na briga que tivera com sua amiga e parceira de dança, Elizabeth Linderberg. O orgulho machucado não o deixou fazer contato com ela desde o ocorrido, nem mesmo quando passaram um ao lado do outro na ida para o café da manhã. Neste momento ele estava lá, deitado em sua cama quando duas enormes aves traziam um embrulho anormalmente grande. Elas adentraram a janela e pararam na cama do sonserino. Ele abriu o embrulho e se deparou com a roupa que havia encomendado dias atrás em Hogsmeade.

-Droga - disse o sonserino levantado a roupa e começou a encará-la.-Já foi.. certamente nesse momento eles já começaram..- completou para si mesmo

***


Elizabeth fitava calmamente as primeiras estrelas do céu aparecerem. Desde ontem não havia aberto a boca nem para cumprimentar o amigo... ou melhor ex-amigo Stephen Ludwig. E hoje era o dia do concurso e ela não sabia se devia ou não ir. O vestido prateado estava estendido em sua cama o calçado delicado no chão e ela estava com os cabelos molhados enrolada num roupão pensando se devia se arrumar e ir ou nem dar as caras pela festa. "Você é uma sonserina! O que sonserinos fazem Elizabeth? Eles deixam bobeiras dessas os abalarem? Não! Então larga mão de ser estúpida e se arrume como nunca se arrumou pra essa festa e apareça lá de cabeça erguida, pronta para se divertir como nunca!" - ela pensava colocando um ponto final na sua dúvida. Vestiu o suave tecido e pos a sandália prateada e começou a arrumar os cabelos. Quando ficou pronta, teve que admitir para si mesma, que estava maravilhosamente linda.
O seu cabelo estava preso em um coque e a franja estava sobre os olhos cinzas que faziam com que ela deixasse um certo ar de mistério no rosto de porcelana quase desprovido de maquiagem a não ser por uma leve sombra e delineador e um batom levemente rosa. Seu vestido era prateado e encaixou-se perfeitamente com o corpo da menina. Tinha uma fenda na altura da coxa para que os movimentos da dança pudessem ser mais naturais. A sandália prateada era simplesmente divina e completando tudo isso ela usava um par de brincos incrustados em diamantes. Sorriu para o seu reflexo no espelho e sem mais demoras saiu do quarto fazendo questão de bater a porta ao sair.

***


O grupo de pessoas que estavam observando atentamente o concurso aplaudiam altamente após termino da apresentação de um casal de corvinenses.

-E agora teremos a apresentação do casal sonserino Elizabeth linderberg e Stephen Ludwig - chamou um dos juízes que estavam em uma mesa central bem de frente para onde os competidores se apresentavam.-Lindenberg e Ludwig - chamou pela segunda vez.

Não havia movimento na platéia, todos olhavam para os lados a procura da dupla. Elizabeth estava inteiramente vestida e pronta para a apresentação, e por alguns segundos sentiu-se tola por estar ali daquele jeito, não deveria nem ter descido hoje.

-Vamos, temos um concurso para vencer - disse Stephen Ludwig que estava tão bem vestido quanto ela dando a mão para a garota que surpresa apenas sorriu.

-Ludwig e Lindenberg, última chamada. ? os juízes anunciaram.

-Estamos aqui. - falou Stephen abrindo passagem por um grupo de pessoas sentadas na última mesa à direita.
*Escrito por Lizzie e Stephen


** às 12:48 h



<body>